Brasileirão 2018 (116)

O Palmeiras entrou em campo no Estádio do Café lotado de alviverdes em Londrina, neste domingo, como líder do Campeonato Brasileiro com cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado, e apesar da atuação ruim e empate decepcionante por 1 a 1 com o rebaixado Paraná, a situação se manteve. Agora, o principal perseguidor do Palestra é o Flamengo, que venceu o Sport. O Inter, após derrota para o Botafogo, está seis pontos atrás do líder restando três jogos para o final do Campeonato Brasileiro.

O decacampeonato brasileiro pode vir já na próxima rodada, no Allianz Parque, contra o América-MG, na quarta-feira. Para isso, o Palmeiras precisa vencer e torcer para que o Flamengo não ganhe do Grêmio no Maracanã e o Inter não bata o Atlético-MG no Beira-Rio.

O duelo deste domingo foi entre um rebaixado e uma equipe que luta para garantir o título brasileiro, mas o futebol dos dois times não retratou a situação no primeiro tempo. Atrapalhado pelo vento e a forte chuva, o Verdão fez péssimos 45 minutos.

Mesmo jogando literalmente contra a forte ventania, o Alviverde teve o domínio da etapa inicial, mas finalizou apenas duas veze. As três, Dudu quase acertou o ângulo, mas mandou para fora, e aos 19, Gustavo Scarpa parou na defesa de Thiago Rodrigues.

Com 69% de posso de bola, mas sem assustar o adversário, o Palmeiras foi punido. Com 34 jogados, Juninho arrancou pela esquerda, deixou Antônio Carlos para trás e cruzou rasteiro para a área. Kessley se jogou na bola, antecipando Diogo Barbosa, Weverton tocou nela, mas aceitou.

Antes do intervalo, Weverton apareceu de novo, dessa vez para impedir o gol em chute de longe de Wesley Dias. A melhor chance do Palestra veio com Rafael Grampola, que quase marcou contra no minuto final do primeiro tempo.

Palmeiras escapa de levar o segundo e consegue o empate

Para a etapa final, Felipão colocou Willian em campo e sacou Lucas Lima, deixando Scarpa como meia articulador centralizado. E disposto a pressionar ainda mais, o Palmeiras quase viu os mandantes ampliarem a vantagem logo aos dois minutos, mas Kessley, após driblar Dracena, demorou muito para finalizar e foi travado por Antônio Carlos.

O jogo ganhou em emoção e os alviverdes pediram pênalti em Dudu em lance polêmico. A arbitragem mandou seguir, mas um minuto depois anotou penalidade de Johnny, que dentro da área, parou chute de Willian com o braço. Na cobrança, Gustavo Scarpa bateu no meio do gol e empatou.

Após nova chegada do Paraná, que não desempatou por conta do capricho de Alesson, Felipão mexeu de novo: Bruno Henrique entrou no lugar de Scarpa, que estava bem no jogo, enquanto Moisés, fazendo uma péssima atuação, ficou responsável por armar o Verdão.

As alterações – Borja ainda entrou no lugar de Deyverson – mantiveram o Palestra no ataque, mas tiraram a criatividade do time. Dudu assustou em chute de longe, que Thiago Rodrigues defendeu, e Willian perdeu chance claríssima sozinho dentro da área.

FICHA TÉCNICA
PARANÁ 1 X 1 PALMEIRAS

Local: Estádio do Café, Londrina (PR)
Data: 18 de novembro de 2018, domingo
Horário: 16 horas (de MS)
Árbitro: Bruno Arleu de Araujo (RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (RJ) e Luiz Claudio Regazone (RJ)
Público:25.076 pagantes
Renda: R$ 1.953,570,00

Cartões amarelos: Johnny, Igor, René e Keslley (PARANÁ); Borja e Gustavo Scarpa (PALMEIRAS)

GOLS
PARANÁ: Kessley, aos 34 minutos do primeiro tempo
PALMEIRAS: Gustavo Scarpa, aos oito minutos da etapa final


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
Paraná: Thiago Rodrigues; Wesley Dias, Jesiel, René e Igor; Leandro Vilela e Johnny; Alesson (Jean Lucas), Keslley e Juninho (Torito González); Rafael Grampola (Felipe Augusto)
Técnico: Dado Cavalcanti

Palmeiras: Weverton; Mayke, Edu Dracena e Antônio Carlos e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Moisés e Lucas Lima (Willian); Gustavo Scarpa (Bruno Henrique), Dudu e Deyverson (Borja)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Fonte: Correio do Estado

Em jogo entre dois times ameaçados de rebaixamento, Timão leva a melhor e se afasta da degola

No jogo entre dois gigantes ameaçados de rebaixamento, o Corinthians levou a melhor. Jogando em casa, com a Arena cheia, o Timão venceu o Vasco por 1 a 0, na noite deste sábado, pela 35ª rodada, e se afastou da zona da degola do Brasileirão.

O triunfo veio com um a chamada “lei do ex” em dose dupla: Mateus Vital aproveitou cruzamento de Fagner e completou de cabeça para o gol, aos quatro minutos da etapa final. O time ainda contou com uma "ajudinha" da arbitragem, que não viu um pênalti a favor do Vasco.

Com o resultado, o Corinthians chega aos 43 pontos e praticamente se garante na Série A, faltando três rodadas, com duelos contra Atlético-PR (fora), Chapecoense (casa) e Grêmio (fora). A vitória deixa a equipe de Jair Ventura na 12ª colocação, posto que pode perder, no entanto, ainda nesta rodada.

Já o Vasco se complica de vez, e terá que passar o domingo secando os adversários na luta contra a queda. Com 39 pontos, o time ocupa a 14ª posição, mas pode ser ultrapassado por Sport (38), Ceará (38) e Chapecoense (37), que ainda entram em campo nesta rodada.

Apesar do discurso de Jair Ventura e Cássio, de que ambos não estavam preocupados com a possibilidade de rebaixamento, era visível o quanto a equipe alvinegra entrou em campo nervosa e ansiosa para tentar marcar primeiro. No outro lado, o Vasco também não tinha motivos para tranquilidade e precisava se aventurar ao ataque, já que um resultado negativo também seria catastrófico.

Mas o nervosismo imperou e fez com que a partida tivesse muitos lances brigados, com divididas e dedicação de todos em campo e pouca qualidade técnica. No primeiro tempo, Corinthians e Vasco maltrataram a bola e os goleiros não tiveram muito trabalho. O momento mais agitado foi após o apito afinal, quando o técnico Alberto Valentim foi expulso e se revoltou com a arbitragem por entender que a exclusão foi injusta.

Já na etapa final, o Corinthians conseguiu encaixar um único ataque com eficiência e abriu o placar. Aos cinco minutos, Fagner fez boa jogada pela direita e cruzou na área, onde Mateus Vital apareceu de surpresa e cabeceou firme para balançar as redes e dar paz para os aflitos corintianos. Em respeito ao ex-clube, não comemorou.

Mas antes de comemorar a vitória, o Corinthians sofreu. O time recuou bastante após o gol e o Vasco ganhou espaço para chegar com perigo ao gol de Cássio. Nos minutos finais, Danilo Avelar cometeu pênalti em Marrony, mas o árbitro Wilton Pereira Sampaio (Fifa/GO) nada marcou, para a revolta dos vascaínos. No último minuto, Henríquez ainda acertou uma bomba de fora da área e carimbou a trave de Cássio. Para acabar com ainda mais emoção.

Apesar da pressão, a má pontaria dos vascaínos facilitou a vida do time paulista, que deu um grande passo para se garantir na elite nacional e afastar qualquer possibilidade de entrar para a história como o primeiro atual campeão a ser rebaixado no Brasileirão.

Furacão vence fora

No outro jogo das 19h, saiu, enfim, a primeira vitória do Atlético-PR como visitante no Campeonato Brasileiro. Jogando no estádio Barradão, em Salvador, o time do técnico Tiago Nunes controlou a partida, não deu espaços e ganhou do Vitória por 2 a 1, com gols de Bruno Guimarães e Ramon (contra); Neilton descontou de pênalti no final. Na zona de rebaixamento, o time baiano saiu de campo vaiado pela torcida depois de completar seis jogos sem vencer, com quatro empates e duas derrotas.

O triunfo foi importantíssimo para as pretensões do Atlético-PR no Brasileirão. Com 50 pontos, encostou na briga por uma vaga no G6 - que vale vaga na próxima edição da Copa Libertadores -, mas ainda depende de outros resultados na rodada. Para o Vitória, o resultado negativo o encaminha para o rebaixamento, com apenas 36 pontos. De quebra, o placar ajudou Vasco e Corinthians.

Fonte: Band

A fase pode não ser boa, mas o retrospecto é todo favorável ao Corinthians para o duelo desse sábado, às 19h, contra o Vasco, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. Afinal, desde 2010 a equipe do Parque São Jorge não perde para os cruzmaltinos. Em São Paulo, o último revés faz mais tempo ainda: só em 2007. São 11 anos de invencibilidade da cidade sede do confronto desse fim de semana.

Depois da derrota por 2 a 0 em São Januário, pelo primeiro turno do Brasileirão de 2010, foram nove vitórias corintianas e seis empates no duelo. No último encontro, os paulistas enfiaram 4 a 0, de virada, nos cariocas, que tinham o mando, mas escolheram Brasília como palco do jogo.

Se a estatística se basear apenas nos duelos em São Paulo, o aproveitamento do Corinthians é ainda melhor. O Vasco venceu o Timão por 1 a 0 pelo segundo turno do Campeonato Brasileiro de 2007 e parou por aí. A partir disso, foram seis vitórias do Corinthians e dois empates.

Serve de consolo ou inspiração para os vascaínos apenas o fato de que foi justamente em 2007 que o Corinthians acabou passando pelo seu único rebaixamento na história. Aquela derrota para os rivais desse sábado, no Pacaembu, com gol de Alan Kardec, para muitos, foi mais trágica do que o próprio empate com o Grêmio, na rodada seguinte, quando de fato o descenso à Série B se confirmou.

A equipe de Jair Ventura é a 13ª colocada na atual edição do Campeonato Brasileiro, com 40 pontos. O Vasco vem logo atrás, é o 14º, com um ponto a menos, 39. A quatro jogos do fim do ano para os clubes, o clássico interestadual na Arena é encarado como uma verdadeira decisão.

Fonte: Gazeta Esportiva

 

Com um a menos, Timão leva 1 a 0 no Mineirão e continua apenas três pontos acima da zona da degola

O Corinthians fez mais uma apresentação para ser esquecida, perdeu para o time misto do Cruzeiro por 1 a 0 nesta quarta-feira, no estádio do Mineirão, e continua ameaçado pelo rebaixamento no Campeonato Brasileiro. A derrota não foi pior porque Cássio fez grandes defesas.

Só não segurou o chute de David. Douglas e Danilo Avelar bateram cabeça e a bola sobrou para Fred, que serviu o atacante cruzeirense para sacramentar a vitória. Douglas, não satisfeito, ainda cometeu duas faltas em sequência no final do primeiro tempo, recebeu um amarelo em cada lance e foi expulso. Com um a menos, o Corinthians ao menos lutou mais no segundo tempo. Acertou uma bola no travessão com Thiaguinho, mas não tirou o zero do marcador.

O tropeço mantém o time alvinegro sem conseguir vencer fora de casa sob o comando de Jair Ventura - agora são cinco derrotas e dois empates longe de seus domínios. Com isso, o Corinthians continua provisoriamente na 13ª colocação, com 40 pontos, a três da degola.

A posição na tabela continuou a mesma do início da rodada porque os principais concorrentes na luta contra a queda tropeçaram - o Vasco empatou com o Atlético-PR por 1 a 1 e o Ceará perdeu para o Bahia por 2 a 1.

O Cruzeiro estava sem sete titulares e também não contou com Mano Menezes no banco de reservas - o treinador está afastado para tratamento dermatológico. Com a vitória, subiu para o sétimo lugar, com 49 pontos. O Corinthians volta a campo no sábado, contra o Vasco, em casa. O Cruzeiro visita o São Paulo, domingo, no Morumbi.

Cássio foi o principal destaque do Corinthians especialmente nos minutos iniciais, ao defender os chutes de Robinho e David. O time alvinegro não se encontrava em campo e viu David abrir o placar aos 13.

Na frente do marcador, o Cruzeiro recuou, o Corinthians passou a ter mais posse de bola, mas não conseguia criar. Jadson não voltava para armar as jogadas e o time alvinegro saia muito lentamente com Ralf e Douglas. No contra-ataque, a equipe mineira quase surpreendeu com Robinho. Cássio mandou para escanteio.

Danilo lutava como centroavante, conseguia dominar a bola lá na frente, mas não tinha com quem tabelar. As coisas ficaram ainda mais complicadas nos acréscimos do primeiro tempo, quando Douglas cometeu falta em Fred e foi expulso. O volante havia recebido o primeiro amarelo no lance anterior. Jair Ventura sentou-se no banco de reservas e ficou sem reação.

No segundo tempo, o volante Thiaguinho voltou na vaga de Danilo e o Corinthians melhorou. Danilo Avelar, de cabeça, obrigou Fabio a fazer grande defesa. Na sequência, Thiaguinho acertou uma bomba no travessão. O Cruzeiro, recuado, tentava matar o jogo no contra-ataque.

Depois das duas boas chances, o Corinthians perdeu um pouco de força. O Cruzeiro, satisfeito com o resultado, deixou o jogo esfriar. Os visitantes partiram para o desespero com os chutões para a área. No fim, o goleiro Fábio ainda pegou chute de Mateus Vital garantindo o resultado.

Fonte: Band

A cinco rodadas para o fim do Brasileirão, a vitória do Botafogo sobre o Flamengo, neste sábado, no Nilton Santos (2 a 1) — a primeira de Zé Ricardo contra o clube onde despontou — fez o Alvinegro se afastar bastante da zona de rebaixamento, e freou ainda mais as chances do rival pelo título. Com um futebol objetivo e de muita intensidade, o Botafogo venceu com autoridade e jogou melhor. Erick e Leo Valencia fizeram os gols que levaram a equipe aos 41 pontos na tabela, na décima posição no campeonato.

Vitinho, melhor de um Flamengo muito abaixo da crítica, descontou. Foi, por sua vez, a primeira derrota de Dorival no comando da equipe. O que deixou o Flamengo estacionado na terceira posição, com 60 pontos, seis a menos que o líder Palmeiras, que entra em campo hoje diante do Atlético-MG e pode aumentar a distância para nove pontos na tabela.

— Precisávamos vencer. Fizemos um primeiro tempo abaixo. Infelizmente perdemos um clássico, o Botafogo fez os gols em trinta minutos e dificultou nosso trabalho — afirmou o capitão Réver, que não conseguiu acompanhar Erick no primeiro gol, saído de um lateral ofensivo.

— Não podemos jogar por água abaixo tudo que construímos até aqui, ainda temos chances e vamos brigar — completou Réver.

Do lado do Botafogo, a empolgação com a vitória em casa foi vista no campo e na arquibancada. Os jogadores se mostraram otimistas para as rodadas finais.

— A gente estava perto da zona de rebaixamento e tinha que ganhar o clássico. Trabalhamos para ganhar o jogo — afirmou Leo Valencia, um dos destaques da equipe e autor do segundo gol, que contou com a colaboração do goleiro César. As falhas nos dois gols se somaram a uma apresentação ruim do meio-campo. Everton Ribeiro e Paquetá estiveram apagados, e Diego, que entrou ainda no primeiro tempo, não acrescentou.

Na quinta-feira, o Flamengo recebe o Santos, enquanto o Botafogo visita a Chapecoense. Com moral para não passar apuros no fim do ano.

Fonte: Extra

Ao Botafogo, só a vitória interessa. Na luta para se afastar da zona de rebaixamento — hoje são quatro pontos à frente do Vitória, 17º colocado — não existe mais tempo para tropeços. Afinal, restam seis rodadas. Mas o Alvinegro também tem uma marca para defender no sábado, contra o Flamengo, no Nilton Santos. Desde 2006, a equipe não é derrotada por um rival carioca no turno e no returno do Campeonato Brasileiro.

Na última fez que sofreu duas derrotas para um adversário do Rio em Brasileiros, o algoz foi justamente o Flamengo, mesmo time que pode repetir o feito agora. Vitória rubro-negra por 1 a 0 (primeiro turno) e 2 a 0 no segundo da competição.

 

Neste ano, o Botafogo bateu Vasco e Fluminense logo na primeira metade do Brasileiro — no returno perdeu para o Tricolor e empatou com o Cruz-Maltino. Contra o Flamengo, sofreu uma derrota no Maracanã por 2 a 0. Jogo que ficou marcado também, pela dividia entre Lucas Paquetá e Jefferson, que teve múltiplas lesões e segue fora até o hoje.

Com os resultados até aqui, o Botafogo arrancou sete de 15 pontos possíveis dos rivais cariocas. Se vencer o Flamengo, iguala os dez pontos em clássicos que somou no Campeonato Brasileiro do ano passado. O melhor aproveitamento em clássicos do clube na história dos pontos corridos é de 2012, quando não perdeu nenhum e somou 12 dos 18 pontos possíveis. A pior é de 2005, quando fez apenas um ponto, com cinco derrotas e um empate.

Fonte: Extra

Projeção feita por Tristão Garcia mostra Verdão com a mão na taça e põe pressão sobre o Flamengo e Inter, os dois perseguidores do time de Felipão, que jogam neste domingo

O Palmeiras venceu o Santos por 3 a 2, em casa, na noite deste sábado, e tem agora 88% de chances de ser campeão brasileiro, em projeção feita pelo matemático Tristão Garcia, do site Infobola.

A vitória do Palmeiras põe mais pressão sobre seus perseguidores, que jogam neste domingo, no complemento da 32ª rodada do Campeonato Brasileiro: Flamengo (6%), Inter (5%) e São Paulo (1%) ainda têm chances matemáticas, segundo Tristão.

Curiosamente, Flamengo e São Paulo se enfrentam no Morumbi, às 17h, enquanto o Inter recebe o Atlético-PR no Beira-Rio, às 19h.

Fonte: Globo Esporte

O Palmeiras sofreu no segundo tempo, mas conseguiu defender sua vantagem na liderança do Campeonato Brasileiro na tarde deste domingo. Desfalcado, o time alviverde saiu na frente com Dudu no Maracanã, mas o Flamengo conseguiu o empate por 1 a 1 graças a Marlos Moreno.

A sete rodadas do fim do torneio nacional, o Palmeiras contabiliza 63 pontos ganhos. O Flamengo, por sua vez, chega aos 59, um a mais do que o Internacional, que na noite de sexta-feira apenas empatou com o Vasco. O São Paulo, com 56 pontos, completa o grupo dos quatro primeiros.

Às 20h45 (de MS) desta quarta-feira, o Palmeiras entra em campo para enfrentar o Boca Juniors pela semifinal da Copa Libertadores, no Allianz Parque. Pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, o time alviverde recebe o Santos às 18 horas de sábado. Já o Flamengo pega o São Paulo às 16 horas de domingo, no Morumbi.

O Jogo – No primeiro tempo do confronto disputado no Estádio do Maracanã, os goleiros César e Weverton não tiveram muito trabalho. O Flamengo procurou explorar o lado direito da defesa do Palmeiras, armada por Felipão com o zagueiro Luan improvisado na lateral.

Na melhor chegada flamenguista ao ataque durante o primeiro tempo, o insinuante Vitinho passou por Antônio Carlos na esquerda e cruzou em busca de Uribe. Edu Dracena desviou e Thiago Santos chegou antes de Willian Arão para afastar o perigo com um bico.

No final da etapa inicial, estendida por conta de um problema nos refletores, Guerra recebeu belo passe de Dudu e, na cara de César, chutou em cima do goleiro adversário. O árbitro Rafael Traci marcou impedimento do meia venezuelano de maneira equivocada.

O Palmeiras voltou atento para o segundo tempo e conseguiu inaugurar o marcador logo aos quatro minutos. Antônio Carlos percebeu e subida de Dudu e descolou um lançamento preciso. O camisa 7 dominou do lado esquerdo, limpou a marcação de Pará ao carregar para o meio e acertou o canto de César.

O Flamengo tratou de responder rápido no Maracanã e enfim deu trabalho a Weverton. Em uma falha do sistema defensivo palmeirense, Lucas Paquetá recebeu livre de Éverton Ribeiro dentro da área e finalizou para uma grande defesa do goleiro adversário.

O Flamengo aumentou a pressão em busca do empate e chegou a seu objetivo aos 35 minutos do segundo tempo. Marlos Moreno recebeu nas costas de Gustavo Gomez, passou facilmente por Antônio Carlos e fuzilou Weverton. Pouco depois, Moreno deixou Paquetá livre na cara do gol, mas viu o companheiro desperdiçar.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 1 x 1 PALMEIRAS

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 27 de outubro de 2018 (sábado)
Horário: 18h (de MS)
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Rafael Trombeta (PR)
Cartões amarelos: Renê, Marlos Moreno (FLA); Thiago Santos, Weverton, Moisés e Victor Luis (PAL)
Gols:
FLAMENGO: Marlos Moreno, aos 35 minutos do 2º Tempo
PALMEIRAS: Dudu, aos 4 minutos do 2º Tempo


FLAMENGO: César; Pará, Léo Duarte, Réver e Renê; Cuellar, Willian Arão (Diego) e Lucas Paquetá; Everton Ribeiro, Vitinho (Moreno) e Fernando Uribe (Geuvânio)
Técnico: Dorival Júnior

PALMEIRAS: Weverton; Luan (Gomez), Antônio Carlos, Edu Dracena e Víctor Luis; Felipe Melo (Moisés), Thiago Santos e Guerra (Willian); Hyoran, Dudu e Miguel Borja
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Fonte: Correio do Estado

A arbitragem foi protagonista da partida. No começo, o Vasco reclamou. No fim, quem ficou incomodado foi o Internacional

O jogo desta sexta-feira (26) valia muito para Vasco e Internacional, que têm ambições diferentes no Campeonato Brasileiro. O empate por 1 a 1, no entanto, não agradou nenhum dos dois. Os donos da casa foram melhores em São Januário, mas perderam muitos gols e não conseguiram traduzir o desempenho superior. Os gols foram marcados por Jonantan Álvez e Maxi López.

A arbitragem foi protagonista da partida. No começo, o Vasco reclamou. No fim, quem ficou incomodado foi o Internacional. O árbitro Igor Benevenuto foi alvo de muitos protestos no fim e teve de ser protegido pelos policiais.

Com o resultado, o Vasco segue na luta contra o rebaixamento. O time soma agora 35 pontos e sobe para a 13ª posição, mas apenas a dois pontos do Vitória, primeiro time na zona da degola. Na próxima rodada, os cariocas têm o clássico contra o Fluminense.

O Internacional, por sua vez, deixa de somar pontos importantes na luta pelo título. O Colorado chega aos 58, mas estaciona na terceira posição e vê a chegada do São Paulo - diferença caiu para dois pontos. Os gaúchos recebem Atlético-PR, no domingo, no Beira Rio.

Um lance gerou bastante reclamação do time do Vasco logo aos 11min. Victor Cuesta e Leandro Castán disputaram bola dentro da área e o brasileiro caiu dentro da área. Isso só aconteceu porque o zagueiro argentino esticou o braço e acertou a cabeça do adversário. Os cruzmaltinos reclamaram muito de uma penalidade não marcada.

Em partida muito disputada, o jogo ficou preso no meio de campo. As chances de gol eram raras e e tornavam o jogo um pouco monótono apesar da importância. Aos 26min, Willian Maranhão dominou na entrada da área e mandou um balaço. Marcelo Lomba se esticou e evitou o primeiro do Vasco.

No fim do primeiro tempo, o Vasco teve nova oportunidade para abrir o placar. Em cobrança de falta, Pikachu bateu com extrema categoria e viu a bola passar muito próximo do ângulo esquerdo de Marcelo Lomba. O lance fez a torcida cantar forte mesmo com o 0 a 0 no placar durante o intervalo.

O Vasco voltou do intervalo ligado e manteve a pegada do primeiro tempo em busca do gol. E quase que isso ocorre logo aos 3min com Pikachu. Andrey fez ótimo lançamento e o lateral emendou um sem-pulo. Melhor para Marcelo Lomba, que fez grande defesa e evitou o primeiro.

O Internacional demorou muito a responder ofensivamente. A primeira vez ocorreu aos 11min do primeiro tempo quando Edenílson apareceu como elemento surpresa. Ele recebeu passe de Rossi e finalizou em cima de Martín Silva.

No primeiro lance em campo, após entrar na vaga de Fabrício, Thiago Galhardo quase abre o placar para o Vasco. O apoiador recebeu pela direita e tentou mandar de primeira para dentro da área. Ele não pegou bem na bola, que pegou efeito e bateu na trave antes de sair pela linha de fundo.

Os gols perdidos pelo Vasco fizeram falta. Aos 39min do segundo tempo, Jonatan Álvez aproveitou os poucos minutos em campo para fazer o seu nome. O uruguaio mostrou oportunismo para fazer o gol dos Colorado, aproveitando rebote do goleiro Martín Silva.

Quando o jogo já parecia decidido, o Vasco arrancou empate. Kelvin foi derrubado por Cuesta dentro da área, e Maxi López converteu com categoria: 1 a 1. A penalidade foi marcada pelo árbitro que fica atrás do gol e gerou muitas queixas dos atletas colorados.

VASCO

Martin Silva; Luiz Gustavo, Werley, Leandro Castan, Ramon; Willian Maranhão (Raul), Andrey, Yago Pikachu, Fabrício, Marrony; Maxi López. T.: Alberto Valentim

INTERNACIONAL

Marcelo Lomba; Fabiano, Rodrigo Moledo, Victor Cuesta, Iago; Rodrigo Dourado, Patrick, Edenílson, D'Alessandro, Rossi; Nico López. T.: Odair Helmann

Estádio: São Januário, no Rio de Janeiro

Juiz: Igor Junio Benevenuto (MG)

Cartões amarelo: D'Alessandro, R. Moledo (Inter) Willian Maranhão (Vasco)

Fonte: Noticias ao minuto

Ainda sem pedir desculpas para o grupo, Diego Alves segue como uma incógnita entre os relacionados do Flamengo para o duelo contra o Palmeiras. Nesta quinta-feira, durante a coletiva de imprensa no Ninho do Urubu, o técnico Dorival Júnior não confirmou que o goleiro estará entre os convocados para a partida decisiva pelo Campeonato Brasileiro. O jogo será neste sábado, às 19h (de Brasília), no Maracanã.

– Nós temos ainda uns dias para a partida. Estamos tratando o assunto com tranquilidade e internamente. Todos os profissionais serão sempre respeitados. Tenho que respeitar a maneira como foi conduzido ate então. E aguardamos. Não vejo porque nos precipitarmos – disse o treinador, que ainda complementou: 

– As coisas têm sido conduzidas em prol do Flamengo, para que a entidade não seja prejudicada. Estamos em semana importante, enfrentaremos o líder do Campeonato. Que nos preparemos ao máximo. Queremos fazer uma boa partida no fim de semana, com apoio da nossa torcida. Todos os assuntos serão conduzidos internamente e com respeito entre as partes.

Diego Alves voltou a treinar com os seus companheiros na quarta-feira. O retorno aconteceu quatro dias após o jogador, barrado na ocasião pelo técnico, recusar-se a viajar para Curitiba para enfrentar o Paraná, pelo Campeonato Brasileiro.

Em boa fase e respaldado pela comissão técnica, César pode repetir no sábado, contra o Palmeiras, a melhor sequência sem levar gols de Diego Alves no Brasileirão. O goleiro de 26 anos atuou em todas as partidas sob a batuta de Dorival Júnior e, se não for vazado diante do time paulista, alcançará o quinto jogo sem ser batido. 

 

Fonte: Extra.globo

Pagina 1 de 9

Salvar

Template Settings

Theme Colors

Blue Red Green Oranges Pink

Layout

Wide Boxed Framed Rounded
Patterns for Layour: Boxed, Framed, Rounded
Top