Redação

O promotor Marcus Vinicus da Costa Leite, do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (Gaesp) do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), foi encontrado morto junto a sua mulher, Luciana Alves, na manhã desta terça-feira na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Luciana também era servidora do MP.

A Delegacia de Homicídios da Capital (DH) informou que as características encontradas no apartamento, na Rua Coronel Paulo Malta Resende, durante a perícia, apontam para homicídio seguido de suicídio. Não estão descartadas, porém, outras hipóteses. Os corpos tinham marcas de tiros, e uma arma foi achada no local. A porta da residência estava trancada, sem sinais de arrombamento. Também não havia indícios de luta. O ar-condicionado estava ligado.

— Estavam os dois corpos no chão da sala do apartamento. Tudo indica que foi crime passional seguido de suicídio. Não há nada que indique que o crime tenha ligação com a atividade dele — disse o promotor Homero das Neves, responsável pelos inquéritos da DH e que esteve no prédio.

A polícia acredita que as mortes ocorreram entre domingo e segunda-feira. Os investigadores já sabem, também, que a pistola achada ao lado do corpo do promotor pertencia a ele. Os cadáveres de Marcus e de Luciana foram encontrados pela empregada, quando ela chegou para trabalhar na manhã desta terça.

Uma equipe da DH foi ao apartamento para fazer uma perícia — os corpos foram retirados do local para serem levados para o Instituto Médico Legal (IML) às 13h30, aproximadamente. Vizinhos contaram a policiais que ouviram disparos na tarde de domingo.

Na página de Luciana no Facebook, é possível ver que o relacionamento do casal teria começado em 2015. A última postagem dela foi no dia 7 de janeiro, durante uma viagem de réveillon para Playa del Carmen, um conhecido destino turístico no litoral do México.

"O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) informa que foram encontrados dois corpos no interior do apartamento situado à Rua Cel. Paulo Malta (...) na Barra da Tijuca, vítimas de projétil de arma de fogo, identificados como sendo o promotor de Justiça Marcus Vinicius da Costa Moraes Leite e a servidora do MPRJ Luciana Alves de Melo.

A arma de fogo foi encontrada no local, não havendo indícios de invasão ou assalto. A Polícia Civil acredita que os fatos ocorreram na madrugada de domingo para segunda, não sabendo determinar ainda as circunstâncias das mortes".

Fonte: Extra

Lula será julgado em segunda instância em 24 de janeiro pelo TRF-4, em Porto Alegre

O presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffman (PR), afirmou em entrevista ao site "Poder 360" que para cumprir um pedido de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, "vai ter que matar gente".

"Para para prender o Lula, vai ter que prender muita gente, mas, mais do que isso, vai ter que matar gente. Aí, vai ter que matar", afirmou Gleisi, em entrevista ao site "Poder360" na segunda-feira (15).

Lula será julgado em segunda instância em 24 de janeiro pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em Porto Alegre. Ele foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sergio Moro na Operação Lava Jato, por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá.

Na última sexta (12), deputados do PT se reuniram com o presidente do TRF-4, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores, para discutir as medidas de segurança para o julgamento.

Deputado federal e presidente do PT do Rio Grande do Sul, o ex-ministro Pepe Vargas disse que se preocupa com o risco de conflitos durante as manifestações que, em sua avaliação, poderiam ser provocados por adversários infiltrados.

À Presidência, o Gabinete de Segurança Institucional minimizou riscos de violência no julgamento.

Segundo publicou a Folha de S.Paulo nesta terça (16), Sérgio Etchegoyen relatou ao presidente Michel Temer que há um esquema de segurança montado pelas forças locais para conter qualquer tumulto e que aposta na repetição da estratégia que garantiu atos pacíficos em Curitiba, quando o petista foi condenado em primeira instância. Com informações da Folhapress.

Fonte: Noticias ao minuto

A onda de indignação internacional após as declarações fortes de Trump atingiu até mesmo a ONU

Donald Trump abalou a paciência dos vizinhos de continente ao se referir a várias nações como "países de m*rda", incluindo algumas da América Latina, de onde chegam aos Estados Unidos imigrantes cuja "qualidade" não agrada ao presidente.

A onda de indignação internacional após as declarações fortes de Trump atingiu até mesmo a ONU, onde o presidente norte-americano foi acusado de racismo. E com razão, de acordo com a analista política hondurenha, Gilda Batista, entrevistada pela Sputnik Mundo.

+ Japão planeja retirada de cidadãos em Seul, caso Pyongyang ataque

"As declarações do presidente Trump são um insulto à dignidade dos latino-americanos, que contribuem significativamente para o desenvolvimento econômico e cultural dos EUA" e que "fortaleceram essa nação".

Contudo, segundo Batista, Trump somente expôs o pensamento de seus antecessores, que consideram a América Latina como seu "quintal". Presidentes dos EUA nunca trataram as nações dessa região como "povos irmãos". A analista acredita ter chegado a hora de a América Latina se afastar dos EUA "totalmente", um país que "lastima e detesta" seus vizinhos do Sul.

"Deve haver uma desunião completa", assinalou Gilda Batista, ao propor, entre outras medidas, expulsar Washington de organizações regionais, por exemplo, da Organização dos Estados Americanos (OEA). Os comentários racistas de Trump não se limitam a palavras, que são acompanhadas de ações concretas ou de sua ausência, apesar de tradições estabelecidas na região.

Vale lembrar, por exemolo, como os Estados Unidos abandonaram os países do Caribe que foram abalados pelo furacão Irma. Washington nem sequer expressou preocupação com situação dramática em Porto Rico, seu território associado mais afetado pelo furacão mais potente na história do oceano Atlântico.

O mandatário norte-americano tampouco moveu um dedo para ajudar Cuba, país que também foi devastado pelo furacão Irma, apesar de ter em sua base de Guantánamo "alimentos, medicamentos e materiais de construção equivalentes a centenas de milhões de dólares", afirmou à Sputnik Mundo o analista cubano, Manuel Yepe.

"Porém, este comportamento de Trump não surpreende, já que a semelhante 'agressão' contra a América Latina é algo típico para Washington, algo que 'não tem nenhum sentido lógico'", explicou Manuel Yepe. lém de serem racistas, as declarações do líder norte-americano também são hipócritas. Muitos imigrantes latino-americanos atravessam a fronteira com os EUA por serem forçados a fugir de seus países devido à desestabilização causada por Washington, como no caso da Venezuela, indicou o analista dominicano, Fernando Martínez.

O especialista constatou que a administração de Trump aplica "uma guerra econômica" contra o governo de Nicolás Maduro, provocando, assim, uma fuga de venezuelanos a outros países, incluindo aos EUA.

O México é outra nação latino-americana que está sendo desestabilizada pelos EUA, assinalou Everardo González, cineasta mexicano. Em particular, ele recordou que uma das conquistas da Revolução Mexicana é a propriedade coletiva sobre a terra. Ele assinalou que ninguém pode extrair recursos minerais sem permissão de moradores locais, mas é isso que empresas estadunidenses fazem em seu país.

Fonte: Noticias ao Minuto

Advogados apresentaram laudo em que listam problemas de saúde do deputado e ainda indica chances de ele perder os movimentos se continuar na Papuda

Desde dezembro, o deputado Paulo Maluf está preso, na penitenciária da Papuda, em Brasília (DF). Nessa segunda-feira (15), os advogados do político voltaram a pedir que ele cumpra prisão domiciliar, alegando a existência de vários problemas de saúde, além da idade avançada do político, que tem 86 anos.

Maluf foi condenado pelo crime de lavagem de dinheiro e a determinação para que começasse a cumprir pena de 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão foi do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Para tentar convencer o juiz da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, Bruno Macacari, a quem cabe decidir sobre a solicitação, a defesa considera que o Centro de Detenção Provisória (CDP) da Papuda não tem a estrutura necessária para abrigar uma pessoa nas condições de saúde de Maluf.

Alega ainda que, caso ele permaneça lá, corre o risco de perder os movimentos ou mesmo morrer. Cegueira no olho direito, miocardia isquêmica, diabetes, problemas na coluna, artrose e câncer na próstata foram alguns dos problemas de saúde listados pelos advogados, que anexaram ao documento um laudo, assinado pelo médico Sami A. R. J. El Jundi, confirmando os riscos.

"As condições atuais já estão repercutindo de forma criminosa sobre a integridade física e mental do sr. Paulo Salim Maluf, de forma desproporcional ao que se admite em face de uma pena de privação de liberdade, impondo-lhe riscos desproporcionais e agravamentos tal de uma situação atual de saúde, que evoluirá para uma incapacidade motora grave e irreversível em curto espaço de tempo", diz o parecer.

"Também se extrai do conjunto das informações fornecidas pelo CDP/Sesipe, que no local inexistem condições mínimas de pessoal e equipamentos para o atendimento de urgências, sendo certo que o sr. Paulo Salim Maluf jamais receberá tal atendimento em tempo hábil para o manejo de um evento cardiovascular dentro do CDP/Sesipe, impondo-lhe a certeza de morte em tal eventualidade", afirma outra parte do texto.

De acordo com informações do portal Uol, o laudo e o pedido dos advogados contestam ofício entregue pelo CDP a pedido da própria defesa para informar as condições da cadeia. No documento, o centro diz que dispõe de médicos que trabalham em dias úteis, das 9h às 16h. Informa ainda que o desfibrilador local está passando por alterações.

Os advogados também defendem que Maluf não representa risco à sociedade. "Indiscutível que um cidadão de 86 anos já não conta mais com as condições físicas e emocionais para enfrentar as mazelas do sistema prisional comum, sendo necessário um tratamento especial para garantir o princípio da dignidade humana e as prerrogativas do Estatuto do idoso. Os prejuízos que virão a ser causados serão inegavelmente irreversíveis, considerando a idade e fragilidade do requerente", diz o documento dos advogados.

"Ora, a pena não é e não deve ser a imposição desnecessária do sofrimento, sob pena de enveredar para vingança privada, abolida há séculos do sistema prisional brasileiro", completa o pedido.

Bombeiros levaram 20 minutos para retirar vítima

Uma colisão entre um caminhão e um micro-ônibus, na noite desta segunda-feira (15), na BR-262, em Três Lagoas, a 338 quilômetros de Campo Grande, deixou uma vítima presa às ferragens.

O acidente aconteceu próximo a Água Clara, e informações repassadas para as equipes do Corpo de Bombeiros pelo motorista do caminhão são de que ele teria perdido o controle da direção ao fazer um desvio na pista.

O motorista não disse se tentou desviar de um buraco ou algum animal na rodovia. Com o impacto, o motorista do micro-ônibus acabou ficando preso às ferragens e foram necessários 20 minutos para os bombeiros retirarem a vítima do veículo, que sofreu fraturas.

Não havia passageiros no micro-ônibus. A vítima foi levada para o hospital da região, segundo o site JP News

Fonte: Midiamax

Pagina 1 de 513

Salvar

Template Settings

Theme Colors

Blue Red Green Oranges Pink

Layout

Wide Boxed Framed Rounded
Patterns for Layour: Boxed, Framed, Rounded
Top